Os sonhos são ilustrações do livro que sua alma está escrevendo sobre você.

sexta-feira, 8 de junho de 2018

Quando a luz dos olhos meus
E a luz dos olhos teus
Resolvem se encontrar
Ai que bom que isso é meu Deus
Que frio que me dá o encontro desse olhar
Mas se a luz dos olhos teus
Resiste aos olhos meus só p'ra me provocar
Meu amor, juro por Deus me sinto incendiar
Meu amor, juro por Deus
Que a luz dos olhos meus já não pode esperar
Quero a luz dos olhos meus
Na luz dos olhos teus sem mais lará-lará
Pela luz dos olhos teus
Eu acho meu amor que só se pode achar
Que a luz dos olhos meus precisa se casar.



sexta-feira, 18 de maio de 2018

Ah... a esperança é minha companheira
Nos momentos de tristeza
Ela aparece e me diz
Estou aqui
Não vim de passagem
Vim para ficar
Conte-me suas angustias
Seus medos
Suas dores
Pois irei te ajudar
A alcançar seus objetivos
Aprender um novo jeito de olhar
Preencher os seus momentos vazios
Abrir a janela da vida
Voltar a sonhar.



sexta-feira, 4 de maio de 2018

Eu gosto de olhos que sorriem,de gestos que se desculpam, de toques que sabem conversar e de silêncios que se declaram.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Não há vendaval que possa tirar você do chão ou desmontar suas estruturas, se você tiver em si uma tempestade de Fé.

quinta-feira, 22 de março de 2018

 
Eu tenho pensado nas pessoas que me somam. Naquelas que perdem seu tempo e energia comigo, insistindo de várias formas, para que o meu riso seja constante e as preocupações, pequenas. Naquelas pessoas que me pegam pela mão e me ajudam a atravessar abismos. Eu tenho pensado nas pessoas que fazem abrigo no coração, pra eu morar. Naquelas que tecem milhares de sorrisos no meu rosto. Naquelas que constroem inúmeras certezas em cima do meu medo. Naquelas que falam bonito, depois de uma tempestade emocional desabar sobre o meu quintal. Naquelas que plantam pés de esperança, no vaso de entrada, pra encantar meu olhar. Por aquelas pessoas que não desistem de mim, eu agradeço.


quarta-feira, 21 de março de 2018


Ele não sabe...
Mas, ela o ama como quem o respira!
Como um amanhecer de primavera
Que perfuma o corpo com suavidade
Na abstinência de uma longa espera
Ele não a sente...
Mas, ela o sente em cada parte do corpo
Como se ele morasse dentro do coração dela
E todas as noites, tirasse sua alma pra dançar
Ele não a enxerga...
Mas, todos os dias ela silencia por fora
Para ouvir o coração pulsar... todo esse amor!
Que transborda pelo brilho do seu doce olhar
Enquanto adormece nos braços frios da noite
Tentando encontrá-lo no meio dos seus sonhos
Para amá-lo, tão real, como jamais alguém o amou.


sexta-feira, 16 de março de 2018

Já sonhei tantas vezes que quase caí da cama, já caí tantas vezes, que asas nasceram em mim, já me perdi tantas vezes que na sombra fui me buscar, já iluminei tantas sombras e quantas tantas ainda tenho a iluminar... Já dei voltas, sem nem mesmo sair do lugar, já dei saltos, alguns bem altos, outros pra trás... mas descobri que às vezes é preciso recuar pra avançar ainda mais. Já folheei o livro da minha vida e vi que tantas vidas vivi numa só... Já morri tantas vezes que me pergunto quantas vidas ainda me restam. Me restam? Já floresci, já desfolhei, já sequei... E em muitas estações desagüei... meus risos... minha alegria, minhas lágrimas... meu suor... Já ri de mim mesma, que delícia não se levar a sério. Já me levei tanto e o coração endureci. Mas já amoleci, não consigo ficar ranzinza, sou feita de amor, lembra? Me lembra sempre o Beija-flor... E mesmo já tendo ido fundo na dor... de onde quase não voltei... voltei!! Respirei, me fortaleci. Mudei de casca, troquei as asas, mutante me vi. Vivi. Já me dissolvi pelo espaço, já caminhei sem deixar rastros, e vezes segui minhas próprias pegadas. Já fui livre, e por mim mesmo exilada. Já me encontrei em metades, já procurei metades, já me fundi ao outro, e me confundi também... já não me reconheci, não me vi... não me enxerguei... me escondi de mim mesma, mas sempre com vontade de me encontrar... a gente brinca de esconde-esconde com a gente... Já fui totalmente mente, e puro, profundo coração... Hoje aprendo que é no equilíbrio que conseguimos bailar... e bailo com a vida, o vento, os vãos, os nãos, os sins, os talvez, bailo porque amo bailar... quem não dança dança, então por que parar? Já fui santa, mãe, criança, tudo em meus cento e poucos anos... e ainda recém-nascida me faço, me acho, me encontro. Porque a vida é um eterno renascer e morrer, ciclos constantes na gira do amor... e o coração continuar a pulsar cada descompassado passo meu. Cansei de querer acertar. Cansei de querer provar. Cansei de querer ser qualquer coisa que não seja eu. Quero minhas asas... quero voar alto... quero a liberdade de ser quem eu sou. Porque sei que sou amor, e nesta perfeição de todos nós, é que nos enlaçamos, é que somos um só. Quero ser um contigo, quero ser um comigo e quero simplesmente ser.